samedi 31 mai 2014

Viana - Lixo aos montes


Saneamento básico

João Silva

Actualmente o municí­pio de Viana é o que mais cresce à nível da província de Luanda, com o aumento quase que cons­tante de novos bairros. Contudo, a falta de um serviço competen­te na recolha de lixo e do sanea­mento básico é bastante notório, porquanto, com o aumento da po­pulação também acresceu subs­tancialmente a produção de lixo.

Os resíduos acumulam-se em enormes quantidades, também porque o sistema de recolha an­terior baixou de nível. Anterior­mente a operadora, além de reco­lher os amontoados em diversas zonas do município, também fa­zia a recolha de porta à porta nos diferentes bairros. Os moradores já estavam habituados e todos os dias depositavam o lixo domés­tico, em sacos, diante das suas portas. A partir das seis horas da manhã os camiões rondavam os bairros e com fortes buzinadas avisavam os moradores. Dessa forma, mesmo os mais distraídos eram alertados e ninguém guar­dava lixo. O sistema funcionou bem até meados de 2012; depois, para surpresa da população, foi desaparecendo até que os camiões deixaram de circular. Não tendo outra alternativa, os populares fo­ram depositando o lixo nas ruas, nas valas e, sobretudo, no espaço do caminho-de-ferro e mesmo sobre a linha. Em alguns pontos existem contentores mas, mesmo aqueles, ficam tão abarrotados que o lixo se acumula no chão, porque não são descarregados re­gularmente.

O Semanário Angolense (SA) visitou alguns bairros do municí­pio de Viana e constatou que, no bairro da Caop, por exemplo, jun­to da estação do CFL, por detrás do muro, há uma praça, ao lado há uma dependência da empresa de distribuição de água e, por in­crível que pareça, ao redor há um grande foco de lixo produzido pe­las vendedoras a que se acresce o lixo doméstico depositado pelos moradores.
A situação é alarmante e está a tornar-se num sério problema de saúde pública. Às vezes, gente há que incendeia o lixo e a situação torna-se simplesmente insupor­tável por causa do fumo que se infiltra pelas casas e provoca uma tosse que põe em perigo, princi­palmente, a saúde das crianças.

A lixeira está a crescer e a in­vadir o quintal do caminho-de­-ferro. A operadora SGO que tem a responsabilidade de recolher o lixo em Viana, de vez em quando destaca uma equipa para recolher o lixo, mas os trabalhadores limi­tam-se a juntar o lixo, mas não o removem do local.

Esta situação, de lixo acumu­lado, regista-se em quase todos os bairros e estradas daquele município, conforme foi consta­tado pelo SA. Em alguns lugares as concentrações de lixo são tão grandes que assustam.

Os moradores preocupados com a situação e com o perigo que os focos de lixo podem causar à saúde dos seus filhos e não só, pela procriação de vermes, mosquitos e cheiros nauseabundos, apelam a quem de direito para encontrar soluções viáveis para o caso.

A este propósito, as comissões de moradores e a população em geral de alguns bairros, já escre­veram cartas para a administra­ção municipal e o gabinete da direcção-geral da SGO, responsá­vel pelo saneamento básico, mas nunca tiveram qualquer resposta.

«Como munícipe de Viana encontro-me muito preocupado com o saneamento básico do nosso município visto que estamos em época de chuva; não sei como va­mos viver com tanta lixeira que ul­timamente se regista em algumas zonas do nosso município; acho que deviam contratar mais opera­doras para trabalhar na recolha do lixo cá no município, porque Viana está a crescer a cada dia que passa e o número de moradores aumenta. Por este motivo, as operadoras que prestam serviços na área do sanea­mento básico devem ser mais re­sponsáveis e fiscalizados pela ad­ministração local», disse o jovem Viegas, estudante universitário.

Aucun commentaire:

Publier un commentaire