mercredi 29 juin 2016

Líder da UNITA pede mais atos cívicos para consciencializar cidadãos

O líder da UNITA defendeu que atos como o realizado hoje em defesa dos 17 jovens ativistas angolanos condenados a prisão por rebelião, devem repetir-se para consciencializar os cidadãos sobre o direito de fazer ouvir a sua voz.

Lusa

Mundo Angola 20:49 - 25/06/16 



Isaías Samakuva, líder do maior partido da oposição em Angola, participou hoje, em Luanda, num "encontro de solidariedade" para com os 17 jovens ativistas a cumprir prisão, por atos preparatórios de rebelião e associação de malfeitores, e de apoio a vítimas de intolerância política.
Segundo o dirigente da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), o encontro foi positivo, sendo por isso necessária a participação dos cidadãos em atos do género e que mais iniciativas sejam organizadas.

"Atos como este devem realizar-se mais vezes, porque precisamos de consciencializar o cidadão que também é seu dever participar em atos como este, é seu dever fazer ouvir a sua voz, para que aqueles que nos oprimem, que oprimem o povo, saibam que não estamos de acordo e não aceitamos", referiu.
O dirigente da UNITA considerou que a luta pela liberdade de expressão e de comunicação fazem parte também de exercícios como o realizado hoje.

O encontro, organizado pelo jornalista e ativista angolano Rafael Marques, em colaboração com a rádio Despertar, visou ouvir os testemunhos de familiares dos 17 jovens detidos e de sobreviventes e parentes de casos de intolerância política, maioritariamente contra militantes da UNITA, ocorridos em várias regiões de Angola.

Isaías Samakuva lamentou que muitas vezes as pessoas questionem o papel da UNITA na defesa dos cidadãos, realçando que "a luta" do seu partido é diária.

"Naturalmente há vítimas e queremos que muitos outros se juntem à nós e percebam que o ditador é conhecido, tem nome, como foi dito aqui, e este ditador é que nós temos que fazer com que saia do lugar em que está para que o povo viva em paz e liberdade", sublinhou.

Sobre os jovens ativistas, o líder da UNITA prevê que daqui há mais alguns meses sejam libertados.
"Na minha maneira de ver, toda a gente, inclusive o juiz, inclusive o próprio Presidente da República, que penso que é ele que manda nestas coisas, todos sabem que não há culpa nenhuma aqui, mas como ato de intimidação mantêm as pessoas na cadeia e há um simulacro aqui do tribunal supremo, que já sabe que deviam sair, mas é preciso intimidá-los para ficarem ainda ali a sofrerem para que fiquem com medo de repetir a mesma coisa, e daqui há mais alguns meses, já aparece o tribunal a dizer afinal que não há nada", opinou.


"E depois vem a antiga cantiga, afinal a justiça funciona, as instituições funcionam, o processo correu. É o cenário que está aqui, não tenho dúvidas", asseverou Isaías Samakuva.

Aucun commentaire:

Publier un commentaire