jeudi 8 octobre 2015

Ana Gomes acusa Procuradoria angolana de estar ao serviço do poder

06 outubro 2015     

Luanda - A eurodeputada Ana Gomes disse hoje à Lusa que a acusação de "rebelião", anunciada pelo Ministério Público angolano contra os 17 jovens detidos desde junho, é reflexo do controlo do sistema judicial pelas forças no poder em Luanda.

Fonte: Lusa


Devo dizer que estava à espera. Desde que estive em Luanda e conversei sobre o assunto com o ministro da Justiça e com outros elementos do governo fiquei convencida que eles iriam acusar, embora a acusação possa ser uma coisa `cavernícula` na argumentação. Mas não me surpreendo porque a Procuradoria está completamente ao serviço do poder", disse à Lusa a eurodeputada socialista, Ana Gomes que visitou Luanda no mês de agosto.

O Ministério Público angolano acusou hoje 17 jovens da preparação de uma rebelião e de um atentado contra o Presidente da República, José Eduardo dos Santos, prevendo barricadas nas ruas e desobediência civil que aprendiam num curso de formação.

"Os arguidos planeavam, após a destituição dos órgãos de soberania legitimamente instituídos, formar o que denominaram `Governo de Salvação Nacional` e elaborar uma `nova Constituição`", lê-se na acusação, deduzida três meses depois das detenções e à qual a Lusa teve hoje acesso.

Em causa está uma operação policial desencadeada a 20 de junho de 2015, quando os jovens angolanos foram detidos em Luanda, em flagrante delito, durante a sexta reunião semanal de um curso formação de ativistas, para promover posteriormente a destituição do atual regime, diz a acusação.

"Não é a primeira vez que vemos isto mas era óbvio porque, quando eu cheguei a Luanda, o próprio Procurador veio à televisão dizer que eles estavam acusados de golpe de Estado -- acusação que no dia seguinte os ministros se abstiveram de fazer, dando uma versão mais recuada afirmando que eram acusados de atos subversivos o que me levou a dizer que eu só comparava isto aos tempos da luta contra o regime colonial fascista em que ativistas portugueses eram acusados de subversão e os patriotas angolanos eram acusados de terrorismo", recorda Ana Gomes.

 A eurodeputada tem tomado várias iniciativas a favor dos ativistas de direitos humanos angolanos tendo recentemente proposto uma resolução sobre a situação em Angola que foi aprovada no Parlamento Europeu com 560 votos a favor.

"O que importa não é o que se passa fora mas sim que se passa dentro de Angola. O povo angolano quer decidir e a determinação que eu vi em muita gente em Luanda é de não mais se calar diante de um regime prepotente, ladrão e claramente antidemocrático e totalitário", frisou Ana Gomes, 

Aucun commentaire:

Publier un commentaire